Secret Garden

Me, Myself and I

sexta-feira, junho 30, 2006

Eu acredito!!!


Ao reler um dos mails que tanto gosto apeteceu-me deixar aqui algumas das coisas que devemos manter sempre à "flor da pele"...

Chega de disfarçar sentimentos ou guardar emoções, a vida só tem sabor se for vivida com o fervor, a garra, o desejo sempre no limite.

Não sei ser temperada nestas coisas ditas "do coração", logo gosto de levar ao máximo o entusiasmo que me caracteriza.

Aqui ficam então alguns aspectos que definem a minha forma de ver o "AMOR", aos olhos do autor:

"...Eu quero fazer o elogio do amor puro, do amor cego, do amor estúpido, do amor doente, do único amor verdadeiro que há, estou farto de conversas, farto de compreensões, farto de conveniências de serviço.

Já ninguém aceita a paixão pura, a saudade sem fim, a tristeza, o desequilíbrio, o medo, o custo, o amor, a doença que é como um cancro a comer-nos o coração e que nos canta no peito ao mesmo tempo?


Para onde quer que se olhe, já não se vê romance, gritaria, maluquice, facada, abraços, flores.

O amor fechou a loja. Foi trespassada ao pessoal da pantufa e da serenidade.

Amor é amor. É essa beleza. É esse perigo.

O nosso amor não é para nos compreender, não é para nos ajudar, não é para nos fazer felizes. Tanto pode como não pode. Tanto faz. É uma questão de azar. O nosso amor não é para nos amar, para nos levar de repente ao céu, a tempo ainda de apanhar um bocadinho de inferno aberto.


A "vidinha" é uma convivência assassina. O amor puro não é um meio, não é um fim, não é um princípio, não é um destino. O amor puro é uma condição. Tem tanto a ver com a vida de cada um como o clima.

O amor não se percebe. Não dá para perceber. O amor é um estado de quem se sente. O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende.

O amor é uma verdade. É por isso que a ilusão é necessária. A ilusão é bonita, não faz mal. Que se invente e minta e sonhe o que quiser.

O amor é uma coisa, a vida é outra. A realidade pode matar, o amor é mais bonito que a vida. A vida que se lixe. Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos.

E durante o dia e durante a vida, quando não esta lá quem se ama, não é ela que nos acompanha - é o nosso amor, o amor que se lhe tem.


Não é para perceber. É sinal de amor puro não se perceber, amar e não se ter, querer e não guardar a esperança, doer sem ficar magoado, viver sozinho, triste, mas mais acompanhado de quem vive feliz.

Não se pode ceder. Não se pode resistir..."


ELOGIO AO AMOR - Miguel Esteves Cardoso

2 Comments:

At sábado, 01 julho, 2006, Blogger Claudia said...

o amor é algo fabuloso, por vezes nao somos felizes nem com ele nem sem ele.
eu ando um cadito ausente do amor, tento dar o meu amor a outras coisas que tambem considero importantes, e como alguem um dia disse quando menos esperar ele aparecerá;)
beijito e bom fim de semana.
o miguel esteves cardoso até escreve algumas coisas acertadas:)

 
At segunda-feira, 03 julho, 2006, Blogger Carla Silva said...

O amor é lindo, é preciso acreditar nele e vivê-lo intensamente.
Beijinhos e uma boa semana.

 

Enviar um comentário

<< Home